Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

IGP/RS alerta para o risco do uso de sistemas rudimentares de elevadores

Foi registrado um acidente com uma vítima fatal

Publicação:

Sistema rudimentar de elevador
Sistema rudimentar de elevador - Foto: Valter Jose Pinheiro
Por Thiago A. Wenzel - Perito Criminal IGP/RS

Com o intuito de utilizar o resultado dos exames periciais efetuados pelo Instituto Geral de Perícias (IGP) como forma de alerta à sociedade, citamos um caso que, por não ser inédito – pelo contrário, encontra casos recentes similares – pode ser visto como lembrete acerca da importância do correto projeto e manutenção de elevadores e similares na prevenção de acidentes – muitas vezes fatais.

Em meados do mês de Novembro, o IGP fora acionado para exame pericial em local de acidente de trabalho com vítima fatal. Tal fato, ocorrido em estabelecimento comercial de Porto Alegre, deu-se devido à queda de um sistema rudimentar de elevação de cargas.

Contudo, o mais importante a ser salientado através do caso em tela, é o alerta: sistemas de elevação (tanto de pessoas como de cargas) – tão comuns em diversos setores de nossa sociedade e no nosso dia-a-dia  devem atender às normas pertinentes, seja na fase de projeto, na de instalação ou de manutenção. Inobservâncias ou falhas em qualquer uma dessas etapas colocam em risco iminente as vidas dos funcionários e de qualquer pessoa que circule próximo ao equipamento.

Através da Divisão da Engenharia, do Departamento de Criminalística (DC), peritos criminais trabalham para elucidar as causas específicas do ocorrido e a materialização da verdade dos fatos.

Notícias relacionadas:

Perícias devem ser decisivas para elucidar morte de comerciária em queda de elevador na Restinga

Polícia investiga condições de elevador que causou morte de comerciária em Porto Alegre

Câmera registra queda de elevador que matou mulher na Restinga

Morte em elevador na Restinga: proprietário da loja deve depor na próxima semana

Elevador em que comerciária morreu na Restinga não poderia estar operando, diz Ministério do Trabalho

IGP-RS